21 de abril de 2015

Lição 04

A TENTAÇÃO DE JESUS
Texto Áureo Hb. 4.15  – Leitura Bíblica  Lc.4.1-13


Prof. Ev. José Roberto A. Barbosa
Twitter: @subsidioEBD

INTRODUÇÃO
O autor da Epístola aos Hebreus diz que Jesus foi tentado em tudo (Hb. 4.15). É a respeito desse assunto que estudaremos na aula de hoje. Inicialmente destacaremos a atuação de Satanás na tentação. Em seguida, refletiremos como Jesus venceu a tentação, através de uma vida consagrada e do uso das Escrituras. Ao final mostraremos como o cristão, seguindo o exemplo de Jesus, poderá vencer as tentações.

1. AS TENTAÇÕES DE SATANÁS
Satanás é o adversário, o inimigo dos servos de Deus, e se aproxima para tentar. Ele deseja incutir a dúvida nos corações dos crentes (Lc. 4.3,9). A primeira tentação do inimigo consistia em fazer Jesus usar seu poder em benefício próprio. Mas Jesus rejeitou proposta de Satanás, por isso Ele é atualmente Sumo Sacerdote, de modo que nos compreende e nos assiste em nossas tentações (Hb. 2.16-18; 4.14-16). Diferentemente do primeiro homem, que não resistiu às afrontas de Satanás, caindo em pecado. O segundo Adão venceu os poderes dos inimigos, resistindo às forças do mal. Para vencer a tentação, dependemos das mesmas armas que Jesus utilizou: oração (Lc. 3.21), o amor do Pai (Lc. 3.22), o poder do Espírito (Lc. 4.1) e a Palavra de Deus (Dt. 8.3). Uma das fontes do pecado é o egoísmo humano, Satanás pode se aproveitar dele para distanciar o cristão de Deus. Jesus venceu a tentação porque se fez servo, não usou seus atributos em benefício próprio (Fp. 2.5-8). Os crentes que quiserem vencer a tentação devem rejeitar todo e qualquer tipo de glória humana. A tentação de ser maior do que os outros pode levar à ruina. A Palavra de Deus nos é suficiente para alimentar nossa vida espiritual, mas a fama dos homens pode atrofiar a alma (Sl. 119.103; Jr. 15.16; I Pe. 1.2). Muitos cristãos estão se distanciando da fé porque querem a glória que somente será recebida na eternidade no tempo presente, sem cruz não há glória (Lc. 24.25-27).

2. JESUS VENCE PELAS ESCRITURAS
Satanás quer nos fazer desacreditar do amor do Pai, também a esperança em um reino vindouro. Por isso motivo, muitos estão trocando a expectativa pela eternidade pelos bens terrenos (Hb. 12.1-3). O inimigo utilizou indevidamente as Escrituras, tentando distorcê-la a fim de fazer Jesus pecar (Sl. 91.11,12). A resposta de Jesus, sempre fundamentada nas Escrituras (Mt. 4.7), revela a exegese apropriada dos textos. Ninguém pode compreender as Escrituras sem atentar para Jesus, sua chave de interpretação (Lc. 24.47). A leitura da Bíblia precisa ser feita apropriadamente, atentando para os princípios hermenêuticos, caso contrário o texto poderá ser instrumento para a queda. Uma das orientações fundamentais para compreender as Escrituras é atentar para o contexto, ou seja, para tudo o que está escrito a respeito de um assunto. A utilização de versículos descontextualizados, sem atentar para o que foi dito antes ou depois, pode resultar em aplicações indevidas. Desde o princípio Satanás quis interpretar indevidamente a Palavra de Deus (Gn. 3.1,2). Não tem sido muito diferente nos dias atuais, existem pessoas utilizando passagens da Bíblia para satisfazer seus interesses. O movimento evangélico tem caído em descrédito, em muitos contextos sociais, por causa das interpretações equivocadas de alguns textos bíblicos.

3. A VITÓRIA NAS TENTAÇÕES
As tentações fazem parte da condição humana, como aconteceu com Jesus, qualquer cristão pode ser tentado (Hb. 4.15; I Co. 10.13). Nossa oração, seguindo o exemplo do Senhor, é para não cair na tentação (Mt. 6.13), mas também devemos vigiar e orar (Mc. 14.38), e resistir às afrontas do Diabo (Tg. 4.7). Devemos ter o cuidado de não atribuir todas as tentações a Satanás, evidentemente ele se aproveita da natureza humana pecaminosa. Entretanto, o desejo desenfreado pode impulsionar as pessoas para o pecado (Tg. 1.13-15). Portanto, há momentos que o cristão deverá fugir de situações que favoreçam o pecado (II Tm. 2.22). Ainda que apenas fugir, pelas próprias forças, não é suficiente. Somente poderão vencer as tentações àqueles que consagrarem suas vidas a Deus (Rm. 12.1,2). Tenhamos cuidado com os pecados que foram naturalizados, e que muitos caem sem atentarem para o perigo, um deles é a ganância, que tem levado muitos à perdição, inclusive obreiros da seara (I Tm. 6.9,10). Os primeiros pais pecaram porque colocaram os olhos naquilo que não deveriam, a soberba dos olhos também pode levar o crente a cair (I Jo. 2.16). Por isso a advertência de Paulo: andai em Espirito e não cumprireis as concupiscências da carne (Gl. 5.17). Trata-se de uma batalha espiritual, entre forças antagônicas que habitam no crente (Rm. 7.17-20). Para vencer, é necessário investir na produção do fruto do Espírito (Gl. 5.22). O revestimento com a armadura de Deus é fundamental, para apagar as setas enviadas pelo inimigo (Ef. 6.14-17).

CONCLUSÃO
Jesus foi tentado em tudo, mas na dependência do Espírito Santo, e no poder da Palavra foi capaz de resistir. De igual modo, os crentes devem lutar contra as tentações de Satanás, bem como contra as da natureza pecaminosa. Temos a promessa bíblica de que não seremos tentados além do que podemos suportar. Por isso, devemos confiar na providência de Deus, e também vigiar e orar. Não é cristão viver na prática do pecado (I Jo. 3.9), contudo, se alguém pecar, temos um Advogado, Jesus Cristo, que nos perdoa, e nos conduz adiante (I Jo. 1.9; 2.1,2).

BIBLIOGRAFIA
STOTT, J. O incomparável Cristo. São Paulo: ABU, 2006.
SWINDOLL, C. Jesus: o maior de todos. São Paulo: Mundo Cristão, 2008.


15 de abril de 2015

Lição 03

A INFÂNCIA DE JESUS
         Texto Áureo Lc. 2.52  – Leitura Bíblica  Lc.46-49; 3.21,22


Prof. Ev. José Roberto A. Barbosa
Twitter: @subsidioEBD

INTRODUÇÃO
Na aula de hoje estudaremos a respeito da infância de Jesus, reconhecendo, a princípio, que os evangelhos tratam muito pouco a respeito do assunto. Inicialmente mostraremos que como criança, Jesus cresceu fisicamente, mentalmente e espiritualmente. Em seguida, nos voltaremos para a juventude de Jesus, ressaltando sua dedicação com o serviço do Senhor. Ao final, refletiremos sobre o papel das crianças na igreja, fundamentados nas abordagens de Jesus, em relação aos pequeninos.

1. O CRESCIMENTO DE JESUS
Existem vários livros apócrifos que tratam a respeito da infância de Jesus, bem como algumas “biografias”, mas nenhum deles tem fundamentação evangélica, ou mesmo histórica. O evangelista que aborda de maneira mais detalhada a infância de Jesus é Lucas. De acordo com esse escritor sacro, Maria e José voltaram a Nazaré, para a casa onde moravam. Como Jesus era um nome comum entre os judeus, ele era denominado de Jesus, o nazareno (At. 2.22). Lucas destaca que o menino Jesus cresceu fisicamente, mentalmente e espiritualmente (Lc. 2.40, 52). Conforme alude Paulo, o Filho de Deus colocou-se na condição de servo (Fp. 2.1-11), sujeitando-se inteiramente ao Pai. Com base na palavra grega helikia, em Lc. 2.52, podemos afirmar que Jesus cresceu em estatura. O corpo, diferentemente do que assumem alguns cristãos, não é mau, antes é o tabernáculo do Espírito Santo (I Co. 3.16,17). O crescimento físico de Jesus deve inspirar-nos a cuidar bem do nosso corpo (Ef. 5.28). O texto também declara que Jesus cresceu em sabedoria, isto é, em conhecimento. Como homem, ele buscou desenvolver a psique, enchendo-se de sabedoria (Lc. 2.40). Assim como fez Jesus, e também orientou Paulo a Timóteo (II Tm. 3.15), devemos investir no crescimento mental, sobretudo por meio da meditação na Palavra de Deus, mas também lendo bons livros (II Tm. 4.13). O crescimento de Jesus envolveu também a dimensão espiritual, na graça de Deus. A palavra grega é charis, ressaltando o favor divino, a vida piedosa. Cristo sempre buscou intimidade com o Pai, se Ele assim o fez, não podemos desprezar o exercício da piedade (I Tm. 4.7).

2. A JUVENTUDE DE JESUS
Lucas registra apenas um episódio na juventude de Jesus, ressaltando a devoção dos seus pais, Maria e José. Era comum os judeus irem a Jerusalém todos os anos, a fim de observarem a Pascoa. Em sua narrativa, o evangelista descreve que Jesus estava com 12 anos, e teria ido a Jerusalém, para celebrar a páscoa. Na volta, após um dia de viagem, José e Maria certamente pensaram que Jesus estava em outro grupo, nas caravanas que faziam aquele percurso. Até que descobriram que tinham perdido o jovem, o que os deixou aflitos (Lc. 2.48). Quando Maria O encontrou, Ele estava entre os mestres do templo, discutindo as Escrituras, deixando-os admirados. Sua mãe O repreendeu por ter causado aquele transtorno, compreensível do ponto de vista materno. A resposta do jovem, no entanto, demonstra seu compromisso com a missão espiritual: “Por que me procuráveis? Não sabeis que me cumpria estar na casa de meu Pai? (Lc. 2.49). Na juventude Jesus teve consciência da sua relação com o Pai, Ele sabia que estava na terra para cumprir uma missão. O comprometimento de Jesus com o serviço do Pai serve de inspiração para os jovens da atualidade. Ele cresceu de maneira equilibrada (Lc. 2.52), sem extremismos, valorizando as diferentes facetas da humanidade, sem negligenciar a vontade de Deus (Mt. 6.33).

3. JESUS E AS CRIANÇAS
Durante Seu ministério terreno, Jesus sempre se identificou com as crianças, esse inclusive é um dos destaques do Evangelho segundo Lucas. Certa feita, quando quiseram desprezar as crianças que tentavam se aproximar dEle, citou o Sl. 8.2. Cristo deu liberdade às crianças, possibilitando que essas se achegassem a Ele (Mt. 19.14). Os cinco pais e dois peixinhos, usados por Jesus para realizar o milagre da multiplicação, foram trazidos por uma criança (Jo. 6.9). Muitas coisas Deus pode fazer através das crianças, devemos seguir o exemplo do Mestre, e dar oportunidades para que os pequeninos desenvolvam seu potencial. Aqueles que tentaram privar as crianças de se aproximarem do Senhor foram por Ele repreendidos (Mc. 10.14). Devemos de igual modo mostrar indignação quando as crianças forem privadas dos seus direitos, seja no contexto eclesiástico ou na sociedade em geral. O evangelista mostra o caso de uma criança que estava possessa por um espírito mau, que tentava destruí-la, mas que fora liberta por Jesus (Mc. 9.22). Tenhamos cuidado das crianças, para que essas não fiquem à mercê das forças do mal, sob a influência dos programas televisivos e jogos de vídeo game. O Jesus dos evangelhos, chama as crianças para junto de Si, Ele as atrai graciosamente (Lc. 18.16). Jesus ressuscitou a filha de Jairo, demonstrando interesse por ela, ainda que fosse desprezada pela sociedade (Lc. 8.54).

CONCLUSÃO
Jesus foi criança, e também jovem, e compreende os desafios inerentes a esse período de amadurecimento. A identificação do Mestre com as crianças e jovens serve de inspiração para que os cristãos busquem atrair essas pessoas ao convívio da comunidade cristã. Não podemos esquecer que quando os discípulos disputavam entre si, a respeito de quem seria o maior, Jesus pôs uma criança no meio, destacando que quem quisesse ser o maior, que fosse como uma criança (Mt. 18.1-6).

BIBLIOGRAFIA
MARSSHALL, I. H. Luke: historian and theologian. Downers Grove: IVP, 1998.
WEIRSBE, W. Be compassionate (Luke 1-13). Colorado Springs: David Cook, 1988.

7 de abril de 2015

Lição 02

O NASCIMENTO DE JESUS
      Texto Áureo Lc. 2.7  – Leitura Bíblica  Lc.2.1-7


Prof. Ev. José Roberto A. Barbosa
Twitter: @subsidioEBD

INTRODUÇÃO
Na aula de hoje estudaremos sobre o nascimento de Jesus, destacaremos que o milagre da encarnação foi singular, e trouxe implicações diretas para a vida dos cristãos. Inicialmente meditaremos a respeito do nascimento propriamente dito, e o contexto no qual ocorreu. Em seguida, nos voltaremos para aqueles que testemunharam essa ocorrência, notadamente os anjos e pastores. Ao final, faremos uma interpretação teológica, do significado desse episódio para história da humanidade.

1. O NASCIMENTO
Cesar Augusto era o governante da Palestina, talvez como político pensasse que estava no controle das situações. Mas Deus, em Sua soberania, estava regendo todas as coisas, usando inclusive o imperador para levar Maria e José até Belém, uma pequena cidade da Judeia que distava cerca de 130 quilômetros de Nazaré. Aquele casal, após receber a revelação do anjo, aprendeu a depender da orientação divina. Maria declarou: “que se cumpra em mim conforme a tua palavra” (Lc. 1.38). O anjo Gabriel foi enviado a Nazaré, onde moravam José e Maria, sendo ela ainda noiva daquele. O anjo anunciou a Maria que ela teria um filho, sem que tivesse relações sexuais, quando descesse sobre ela o Espírito Santo (Lc. 1.35). O nascimento de Jesus, por conseguinte, foi sobrenatural. Nossas vidas, assim como a de Maria, devem estar nas mãos de Deus, nada deve nos dissuadir da fé (Hb. 11.1,6). Não podemos esquecer que Deus está no comando da história, portanto, não temos motivos para temer o futuro. Ele é o Deus dos impossíveis, aquilo que o homem não pode fazer, o Senhor é capaz, pelo Seu poder. Quando Jesus estava para nascer, não houve lugar nos alojamentos de Belém. Restou um estábulo, no qual se encontrava uma manjedoura, que Lhe serviu de berço. Aquele objeto era uma espécie de cocho para os animais (Lc. 2.7-16), naquele pequeno recipiente se encontra o próprio Deus. Em Belém, cujo nome em hebraico significa “casa de pão”, nasceu aquele que é o “Pão da vida” (Jo. 6.35). Nele encontramos a plenitude da divindade (Cl. 2.9).  Em Cristo, o Verbo se fez carne, e habitou no meio de nós, cheio de graça e de verdade (Jo. 1.1,14), esvaziando-se, e assumindo a condição de servo (Fp. 2.7).

2. ANJOS E PASTORES
Quando Jesus nasceu os anjos se maravilharam, por isso Paulo se referiu a esse acontecimento ressaltado a grandeza do mistério da piedade (I Tm. 3.16). A mensagem chegou primeiramente aos pobres, um grupo de pastores desconhecidos, que se encontrava no campo. O evangelho alcança prioritariamente os pobres, aqueles que são considerados escória da sociedade (Lc. 1.51-53; I Co. 1.26-29). Esses pastores testemunharam a glória do evento, o cumprimento da revelação angelical: “Eis aqui vos trago boa-nova de grande alegria, que o será para todo o povo”. Essa declaração nos mostra que a salvação é para todos, que se trata de uma notícia de paz, que nos traz grande alegria. Conforme declarou o filósofo Epiteto, “o imperador pode fazer cessar a guerra, dando paz a terra e aos mares, mas não é capaz de fazer cessar a paixão, aflição e inveja. Não é capaz de dar a paz ao coração, pela qual o homem anseia mais do que qualquer outra paz interior”. Jesus é o Príncipe da paz (Is. 9.6), Ele prometeu nos dá a paz que o mundo não conhece (Jo. 14.27), essa paz é produzida em nós pelo Espírito (Fp. 4.7). O evangelho de Jesus Cristo, ainda que alguns religiosos queiram transformá-lo em más notícias, é uma mensagem alvissareira, que deve nos fazer saltitar de alegria. Os pastores foram impactados pela boa-nova, o espanto da visitação de Deus aos homens deve sempre ser motivo de espanto. Como declarou certo pregador, após a nave espacial Apolo 11 pousar o solo lunar, “o maior acontecimento de todos os tempos não foi o homem ter pisado na lua, mas Deus ter pisado na terra em Cristo Jesus”. Devemos, assim como fizeram os pastores ao encontrar a criança, adorá-Lo, em gratidão pela sua graça maravilhosa (Lc. 2.13,14).

3. O SIGNIFICADO
Jesus nasceu sob a lei, obedecendo a seus preceitos (Gl. 4.1-7), de modo que Ele não veio para abolir, mas para cumprir a lei (Mt. 5.17,18).  Por isso fez-se necessário que Ele fosse circuncidado ao oitavo dia, mostrando Sua ligação com o pacto abraaonico (Gn. 17). O nome da criança traz um significado profundo “Yahweh é a salvação” (Mt. 1.21). Jesus não foi apenas um iniciador religioso, muito menos um líder revolucionário. A vinda de Jesus a terra é a manifestação do próprio Deus, que se fez gente a fim de salvar a humanidade do pecado (Lc. 2.10). Os antigos aguardavam ansiosamente a vinda do Messias prometido. Simeão e Ana representam essa expectação, que se cumpriu em Cristo (Lc. 2.29). Simeão, em sua idade avançada, identificou Jesus como “a consolação de Israel”. Ele somente pode fazê-lo porque estava em consonância com a Palavra de Deus. Somente os que se firmam nas Escrituras podem testemunhar o cumprimento das promessas divinas. A morte e a ressurreição de Jesus trariam dores para Maria, mas através desses eventos, o mundo seria salvo do pecado (I Tm. 2.5,6). Ana, uma mulher cujo nome significava graça, também de idade avançada, foi uma das 43 mulheres citadas no evangelho segundo Lucas. Ela se encontrava no templo, uma pobre viúva que colocava sua esperança em Deus. Aquela mulher idosa foi usada pelo Senhor para transmitir a mensagem salvadora do Senhor. As vidas de Simeão e Ana mostram o significado que os idosos têm no reino de Deus, ninguém despreze as pessoas idosas por causa da sua idade avançada. Devemos fazer coro às palavras do salmista: “na velhice ainda darão frutos, serão viçosos e florescentes” (Sl. 92.14).

CONCLUSÃO
O nascimento de Jesus foi um evento singular, com significado especial para todos aqueles que creem. Ele foi desprezado até mesmo em Seu nascimento, mas aprouve a Deus revelá-Lo aos pobres, aqueles que se consideravam indignos. Ainda hoje, todos aqueles que se dobram diante dessa mensagem, jubilam com a declaração angelical, reconhecendo que essa é uma boa notícia, que enche nossas almas de paz, e que nos traz grande alegria.

BIBLIOGRAFIA
GREEN, J. The theology of the gospel of Luke. Cambridge: CUP, 1995.
WEIRSBE, W. Be compassionate (Luke 1-13). Colorado Springs: David Cook, 1988.

30 de março de 2015

Lição 01

O EVANGELHO SEGUNDO LUCAS
  Texto Áureo Lc. 1.4 – Leitura Bíblica  Lc. 1.1-4


 Prof. Ev. José Roberto A. Barbosa
Twitter: @subsidioEBD

INTRODUÇÃO
Este trimestre da Escola Bíblica Dominical será predominantemente cristocêntrico. Estudaremos o evangelho segundo Lucas, enfocando a vida e o ministério de Jesus. Na aula de hoje faremos uma incursão sobre os aspectos contextualizadores desse livro: autoria, data, local e destinatário. Trataremos também a respeito do gênero, contexto e ênfase teológica. Ao final, ressaltaremos a pessoa de Jesus na teologia lucana, como Servo e Filho do Homem.

1. AUTORIA, LOCAL, DATA E DESTINATÁRIO
Esse evangelho não explicita diretamente quem teria sido o autor do livro. Irineu, um dos pais da igreja, escreveu que “Lucas, companheiro de viagem de Paulo, registrou o evangelho por este pregado em um livro”. O médico amado, como ficou conhecido esse evangelista, escreveu depois da ascensão de Jesus, durante o período que acompanhava Paulo em suas viagens missionárias (Cl. 4.14; Fm. 24; II Tm. 4.11). O autor se aproxima da teologia paulina, principalmente em relação à universalidade da salvação (Lc. 4.27; 24.47), a necessidade da fé para a salvação (Lc. 8.12; 18.8), o amor de Deus pelos pecadores (Lc. 15.11), bem como a identificação de Jesus como Senhor (Kyrios em grego). Como Paulo, Lucas não viu o Senhor em carne, por isso dependeu de informações coletadas. Esse evangelho foi escrito por volta do ano 60 d. C., provavelmente fora da Palestina, considerando que Lucas era um cristão gentio. Os estudiosos admitem que Mateus tenha escrito para os judeus, Marcos para os romanos, e Lucas para os gregos. O evangelista destinou o seu livro a Teófilo, um homem culto e influente, a quem também dedicou o livro de Atos (At. 1.1-4). É possível que Teófilo tenha recebido a fé cristã, e tenha sentido a necessidade de conhecer melhor o Salvador. Esse deveria circular entre os gentios, a fim de que todos os povos fossem alcançados pela graça salvadora de Jesus Cristo.

2. DIVISÃO, GÊNERO E ÊNFASE TEOLÓGICA
Esse evangelho, diferentemente dos demais, inicia com um prólogo, no qual o autor expõe o material que dispôs para escrever (Lc. 1.1-4). O autor destaca, em sua narrativa, a infância de Jesus, dando atenção especial também às mulheres e aos pobres. O texto pode ser assim dividido: Introdução (1.1-4.13), o ministério de Jesus na Galileia (4.14 – 9.50), relato de viagem e sermões (9.51-19.27) e o ministério de Jesus em Jerusalém (19.28 – 24;53). No texto grego esse evangelho é o maior livro do Novo Testamento, com aproximadamente 96 páginas, sendo caracterizado por um estilo literário mais refinado, bastante próximo do grego que lembra a erudição da Septuaginta, tradução grega do Antigo Testamento hebraico. A fim de evitar confusão em relação à cultura judaica, o autor deixa de enfocar aspectos tratados nos outros sinópticos, tais como os sentimentos de Jesus (Lc. 6.10; 18.22), a cura de Jesus pelo toque (Lc. 6.19;b5.13), entre outros. Logo no início Jesus é identificado como Kyrios, o Senhor (Lc. 5.8; 7.13; 10.1,41; 22.61). A narrativa lucana é caracterizada pela acuidade histórica, pois mesmo não tendo sido uma testemunha ocular, busca informações confiáveis das testemunhas oculares. Ele investigou tudo cuidadosamente, “desde o princípio” (1.3), com a meticulosidade de um historiador. O resultado pode ser identificado na exposição de relatos desconsiderados nos outros evangelhos, tais como a infância de Jesus, a pesca maravilhosa, o chamado de Pedro, as parábolas da ovelha perdida, moeda perdida e do filho perdido, do rico insensato, do administrador infiel, do fariseu e do publicano, entre outros. Lucas também é considerado um evangelista pentecostal, considerando suas alusões ao Espírito Santo, tanto no evangelho quanto em Atos.

3. JESUS, O HOMEM PERFEITO EM LUCAS
O tema central do evangelho segundo Lucas é Jesus Cristo, reconhecido como o Senhor (Lc. 2.1), e o Homem Perfeito (Lc. 5.24). Em sua narrativa Lucas ressalta a identificação de Jesus com os marginalizados, notadamente as mulheres, as crianças e os pobres. Os pecadores que eram desprezados pela sociedade eram acolhidos por Jesus (Lc. 5.1; 7.36) Até mesmo os samaritanos, que eram desdenhados pelos judeus, são alcançados pela graça de Cristo (Lc. 10.30). Lucas mostra que o amor de Deus se destina a todos, principalmente aos grupos minoritários, como os pobres. Historicamente, o autor responsabiliza a liderança judaica, em consonância com as autoridades romanas, pela morte de Jesus (Lc. 20.20,26; 23.2-25). Lucas utiliza expressões messiânicas, que aludem à divindade de Jesus, como Deus Verdadeiro. Ele faz referência ao título “Filho do Homem”, que Jesus atribuiu a Si mesmo, a fim de demonstrar sua natureza humana. Por outro lado, o Senhor também estava ciente da Sua natureza divina (Lc. 2.4-52), sendo Ele o modelo de Homem Perfeito, que enfrenta e derrota Satanás (Lc. 4.1-13). Como Homem Perfeito, Jesus dependeu da atuação do Espírito Santo, realizando por intermédio dEle, milagres e maravilhas (Is. 11.1,2; 42.1). O Messias tinha uma missão a cumprir, e essa seria realizada pelo poder do Espírito (Lc. 4.16-19; Is. 61.1). Jesus não deixou de ser Deus ao se fazer Homem, mas abdicou das prerrogativas de usar Seu poder para fazer milagres, dependendo dos dons do Espírito Santo.

CONCLUSÃO
Que dizem ser o Filho do Homem? Perguntou certa feita o próprio Jesus (Mt. 16.13-20). A resposta a esse pergunta é crucial a fim de distinguir uma cristologia falsa ou verdadeira. Ao longo das próximas aulas estudaremos com maiores detalhes a respeito da vida e ministério de Jesus, com base no evangelho segundo Lucas. Esperamos que, ao longo das próximas semanas, possamos reconhecer o senhorio de Cristo, como fez Tomé, prostrando-se aos Seus pés, chamando-O de “meu Senhor, e Deus meu” (Jo. 20.28).

BIBLIOGRAFIA
GREEN, J. The theology of the gospel of Luke. Cambridge: CUP, 1995.
STRONSTAD, R. The charismatic theology of St. Luke. Grand Rapids: Baker Academics, 2012.